Intolerância à lactose

“Pessoas que sofrem de intolerância à lactose precisam cortar o leite??“

A resposta é NÃO, pois hoje em dia, é possível fazer uso de enzimas para adicionar o alimento à dieta.

A intolerância à lactose é a incapacidade parcial ou total em digerir a lactose (o “açúcar” do leite) que  geralmente é causada pela deficiência de uma enzima no organismo, chamada lactase. Atualmente, os exames para diagnosticar o problema são mais precisos e acessíveis. Com uma amostra de sangue de 5ml e um teste que é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), já é possível saber se o indivíduo tem a disfunção. Outro exame bastante útil para detecção do problema é o teste respiratório de hidrogênio (H2). Nesse caso, não é nem necessário a coleta de sangue, pois o exame se baseia na quantidade de hidrogênio (H2) – gás produzido quando se é intolerante à lactose – na respiração. No início do teste, o paciente sopra lentamente em um pequeno aparelho que mede a quantidade de hidrogênio na respiração. Em seguida, deve-se ingerir uma pequena quantidade de lactose diluída em água e soprar no aparelho a cada 30 minutos, durante um período de 3 horas. O diagnóstico de intolerância é feito quando a quantidade de hidrogênio medida é 20 ppm (partes por milhão) maior que a da primeira medição.

Pesquisas mostram que 70% dos brasileiros apresentam algum grau de intolerância à lactose, que pode ser leve, moderado ou grave, segundo o tipo de deficiência apresentada.

Os sintomas mais comuns incluem: Dor abdominal, diarreia, flatulência, inchaço abdominal, náusea e võmito, aparecendo entre 30 minutos a 2 horas após a ingestão dos derivados do leite.

Atenção: é sempre recomendável procurar um especialista, pois por trás dessa resistência do sistema digestivo podem estar outras doenças, como colite, Doença de Crohn e outras, que são confundidas com intolerância à lactose.

 

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/intolerancia-a-lactose